Pré-venda de VERMELHO-TERRA

Já passamos da metade da campanha de financiamento coletivo para a publicação do meu novo livro, Vermelho-terra! Para participar, visite nossa Benfeitoria, escolha sua recompensa e faça uma colaboração! O livro – ou os livros – chegarão via correios até você, com dedicatória e tudo, assim que tudo estiver pronto, em julho!

Essa campanha viabiliza a publicação do livro que traz textos e fotos a partir de uma viagem a campo feita a Ketu, no Benim, e funciona também como pré-venda, pois não será possível a realização de um lançamento presencial, diante da realidade imposta pelo isolamento social.

Então fica aqui o convite pra você conhecer o projeto!

Assista ao vídeo, mande para os amigos e espíritos afins e se junte a nós nessa empreitada pela sobrevivência da cultura brasileira em tempos de caos!

Axé!

Amor!

Humor!

Vermelho-terra

Alou Brazyl, alou mundo!!! 📙 🤓 📸

Está aberta a campanha de financiamento coletivo pra publicação do meu próximo livro: VERMELHO-TERRA

Livro com textos e fotos que segue os passos da tradição da literatura de viagem a partir de minha ida a campo no Benim, em 2009.

A campanha é uma pré-venda do livro.
E por isso estou aqui!

A primeira meta da campanha é TUDO OU NADA. Precisamos alcançá-la. Com isso, garantimos que vai ter livro! Oba! E como não dá pra ter lançamento, ela também garante que você receba seu livro em casa pelos correios!

Te convido a olhar a campanha,
pensar na melhor forma de contribuir,

e, sim, por favor:
compartilhe com pessoas próximas que tenham a ver com esse projeto!

Entre para comprar o seu e saber mais!
benfeitoria.com/vermelhoterra

Texto e fotos de Maria Bitarello
Edição de Ulisses Belleigoli
Projeto gráfico de Lia Rezende Domingues

#financiamentocoletivo#benfeitoria#literaturabrasileira#literaturadeviagem#benim#ketu#ketou
#fotografiaanalogica#35mm#livronovo#mariabitarello#lapetiteferme#culturabrasileira#resistecultura

Das Paredes

VEM AÍ!
Das Paredes: as mulheres, as aventuras e angústias de tijolo em 6 lives.

Mistura de teatro, música, poesia e cinema, o espetáculo Das Paredes está em processo de criação. Interrompido com o começo da pandemia, o trabalho estrearia em maio de 2020, justamente quando chegou a notícia de que teatros e salas de espetáculo ficariam fechados. Agora, quase um ano depois, o projeto para a viabilização da peça foi contemplado pela Lei Aldir Blanc do Estado de São Paulo, no Proac Lab.

A equipe é formada só por mulheres. São as tijolAs-protagonistas, que atuam em cena e nos bastidores, e discutem que paredes são essas, e como derrubá-las.

São elas:
Bia Fonseca (produção)
Brenda Amaral (comunicação)
Cecília Lucchesi (audiovisual e produção gráfica)
Chiris Gomes (música e atuação)
Cris Cortilio (arquitetura cênica)
Gabriela Campos (figurino)
Letícia Coura (direção, música e atuação)
Lúcia Galvão (iluminação)
Maria Bitarello (música e comunicação)
Nana Carneiro da Cunha (música e atuação)
Tetê Purezempla (música e atuação)

Mas de que paredes estamos falando?
Das Paredes que já vieram prontas, das que criamos todos os dias, das que constroem para nós e por nós.

VEM VER QUE TÁ LINDO!

📲TEMPORADA:

15 e 16/03 (segunda e terça), 20h
22 e 23/03 (segunda e terça), 20h
29 e 30/03 (segunda e terça), 20h

🎫Os ingressos são gratuitos, basta reservar o seu em: sympla.com.br/dasparedes

Siga a gente nas redes sociais:
INSTAGRAM FACEBOOK

teatro #música #artescenicas #cultura #espetaculoaovivo #live #teatrobrasileiro #mulheresartistas #arte #culturabrasileira #culturapresente #mulherartista #womeninarts #art #estreia #makingof #ensaio #teatrosp #guiacultural #agendacultural #destaquedeteatro #guiaculturalsp #temporadateatral #programacaoculturalsp #teatrodigital

O encantamento dos caminhos de Lia, por Letícia Coura

Outro dia ouvi de um historiador que o contrário da vida não é a morte, que traz o mistério e nossa maior transformação rumo ao desconhecido. O contrário da vida é a perda do Encantamento. Partindo dessa imagem, ideia, princípio, lógica, Lia já pode pensar em viver para sempre a partir de seus escritos. Tudo ali é Encantamento, a começar pelos nomes das personagens com que ela vai cruzando pelo Caminho, na verdade a grande personagem de seus diários. O Caminho da transformação, o fim de um ciclo pra começar uma nova vida, um Caminho de iniciação. Entrar na vida adulta? Se recuperar de um coração partido, de ilusões perdidas, e descobrir o porquê de estar aqui, ou quem sabe um grande objetivo pra vida? Ou apenas se abrir para o Encantamento dessa mesma vida, que esse sim, a acompanhará por todo o Caminho pela frente.


Leia a resenha completa de Letícia Coura na Revista Philos

“Abro-te meus caminhos: contos-diários do meu primeiro sertão da caatinga”,
de Lia Rezende Domingues, saiu em 2020 pela La Petite Ferme.

ABRO-TE MEUS CAMINHOS

Resenha de Yago de Bem para o livro “Abro-te meus caminhos: contos-diários do meu primeiro sertão da caatinga”, de Lia Rezende Domingues, que saiu no fim de 2020 pela La Petite Ferme.

Começo este texto estabelecendo que: escrever sobre os manuscritos de memórias de outrem é tarefa complicada. Não há, nesse caso, critérios a serem considerados e julgados como enredo, desenvolvimento de personagens e desfecho. Não há estória; apenas história, e essa não se avalia, se aprecia. Por isso, é importante que saibam todos que li e ouvi “Abro-te Meus Caminhos” com os olhos de uma pessoa que já correu distância imensa, mas para quem o sertão parece mundo de ficção.

De início, acho importante destacar que Lia tem uma escrita única, que, arrisco-me, reflete muito sua própria oralidade, com escolhas muito peculiares, mas muito bem colocadas, de construção e vocábulos. Sua característica que mais me marca e que mais aprecio é quando, na escrita – fora do campo da fala –, Lia faz usos muitos interessantes da caixa alta, quebrando normas explícitas com liberdade quase saramaguiana. Esse estilo em nada afeta o ritmo do texto, mas traz novos significados e não pode ser percebido pela narração uma vez que é inerente ao papel.

Sobre suas memórias, já havia ouvido parte dos relatos e me abstive atônito, sem encontrar comentários a fazer diante de história que achei tão grandiosa. Ler seus escritos é tarefa muito prazerosa: os relatos são lindos e a escrita é gostosa. Para além, me contradigo em partes para dizer que, apesar do caráter bibliográfico e epistolar desses escritos, há, sim, desenvolvimento de personagem: Jaguar. Lia desenvolve ao longo de seus escritos a construção de seu relacionamento com a senhora sertaneja e o amor que se desabrocha; saímos de “minha mineirinha”, passamos por “filha” e desaguamos em emocionada despedida.

Julgo relevante, no entanto, tecer comentários sobre aquilo de que senti falta. Apesar de termos relatos das dificuldades do sertão como falta de água encanada e abuso do mercado financeiro, não há qualquer comentário sobre o que se passa. Aqui, entramos em âmbito muito pessoal, mas sou dos jovens que acreditam na necessidade de recortes específicos. Lia talvez não tenha nesse ponto o seu interesse, deixando explícito em certo momento de seu escrito que não queria se “comprometer com assuntos tão complexos”. Não é, de forma alguma, demérito, mas quando se é fã da literatura Jorge Amado e suas denúncias, sente-se falta desse viés.

Lia nos entrega um texto com muita sensibilidade, Verdade e Coração (com letra maiúscula, perceba) e não se intimida que a acompanhemos em suas mais diversas jornadas. A mineirinha relata sua trajetória com muita deferência e muito carinho, e não hesita em desnudar momentos de dúvidas e de necessidade de se reenergizar para voltar àquela terra que não a pariu. Ao fim e ao cabo, é um texto muito sobre descobertas, primeiras-vezes e espiritualidade aflorada. Caminho que vale a pena ser lido, compartilhado e trilhado. “Volta pra Terra, Fia”.  

                                                                                 yago de bem

                                                                                                            17/01/2021

Dois escritos para voltar ao Sertão

É com muito prazer que anuncio os dois novos lançamentos de La Petite Ferme, editora caseira de guerrilha nascida em 2014.

Livro em formato impresso, versão pocket, com projeto gráfico da autora.

Lançamento dos dois livros de Lia Rezende Domingues no dia 19 de dezembro de 2020: Minha vida com Tê: estudos genealógicos e Abro-te meus caminhos: contos-diários do meu primeiro sertão da caatinga.

Livro em formato digital + audiobook, com produção musical de Igor Visentin.

Sobre os livros:

Edição:
Maria Bitarello
Consultoria editorial: Ulisses Belleigoli
Revisão: Paula Martins Costa
Projeto Gráfico: Lia Rezende Domingues
Produção Musical do audiobook:
Igor Visentin
Voz: Lia Rezende Domingues
Editora: La Petite Ferme

Lia Rezende Domingues, autora dos livros (Foto: Maria Gabriela Matos)

Lia Rezende Domingues é jornalista (Universidade Federal de Juiz de Fora) e designer ecológica (Gaia Education). Trabalhou com comunidades tradicionais, economia popular solidária, a Embrapa e o ICMBio. Peregrina dos sertões, escreve desde pequena. Abro-te meus caminhos: contos-diários do meu primeiro sertão da caatinga e Minha vida com Tê: estudos genealógicos são seus dois primeiros livros.

Consolidando a Agricultura Familiar

Coordenadores da cartilha: Emilie Coudel, Stéphanie Nasuti, Mariana Piva, Beatriz Abreu, Danielle Wagner, Ricardo Folhes.
Apoio científico: Romero Gomes (mapas), Valéria Fechine (estatísticas).
Pesquisadores comunitários: Adriele Gomes, Antônio Lima, Antônio Silva, Camila dos Santos, Darleilson Macedo, Damião dos Santos, Delcilene Caldas, Diana Santos, Edno Fernandes, Elielson Santos, Erica Silva, Franciele dos Santos, Franciney Leal, Francisco Correa Filho, Gabriel Dos Reis, Gilmara Mota, Jefferson Silva, Maelson Dos Reis, Maurenice Paz, Osmar Azevedo, Sávio Araújo.

Edição do texto: Maria Bitarello e Thiago Medaglia (Ambiental Media).
Design: Alessandro Meiguins, Marcos de Lima e Giovana Castro (Shake Design).
Ilustrações: Filipe Almeida (@estudiodumundo).

Para mais informações sobre o observatório Odisseia, consulte: inct-odisseia.i3gs.org.