Incredible India

Scan12

MINING THE LIGHT
Golconda Fort, Hyderabad, Andhra Pradesh, India (2012)

Scan02

MARKET AND PRAYER
Laad Bazar, Hyderabad, Andhra Pradesh, India (2012)

Scan08

MYSTS
Temple @ Golconda Fort, Hyderabad, Andhra Pradesh, India (2012)

Scan01

STORYTELLING
Golconda Fort, Hyderabad, Andhra Pradesh, India (2012)

Scan11

FORTIFIED CITY
Golconda Fort, Hyderabad, Andhra Pradesh, India (2012)

Scan04

SHORT-CIRCUITED PEARLS
Laad Bazar, Hyderabad, Andhra Pradesh, India (2012)

Scan02

CHORES
Hyderabad, Andhra Pradesh, India (2012)

Scan03

LASSI
Laad Bazar, Hyderabad, Andhra Pradesh, India (2012)

Scan04

PRAYER AND MISCHIEF
Temple @ Golconda Fort, Hyderabad, Andhra Pradesh, India (2012)

Scan07

MUSLIM-HINDU HENGE
Golconda Fort, Hyderabad, Andhra Pradesh, India (2012)

Scan01

HIGH-SCHOOL TELUGO
Laad Bazar, Hyderabad, Andhra Pradesh, India (2012)

Scan10

ADOLESCENCE
Golconda Fort, Hyderabad, Andhra Pradesh, India (2012)

Scan05

HITEC CITY
Hyderabad, Andhra Pradesh, India (2012)

Scan06

GURMIT, THE SIKH
Temple @ Golconda Fort, Hyderabad, Andhra Pradesh, India (2012)

Scan07

MOHAMMED
Hyderabad, Andhra Pradesh, India (2012)

Scan09

INDIAN MAN
Fort @ Golconda Fort, Hyderabad, Andhra Pradesh, India (2012)

Scan06

THREE WHEELS
Hyderabad, Andhra Pradesh, India (2012)

Scan03

MUSLIM WALL
Golconda Fort, Hyderabad, Andhra Pradesh, India (2012)

Petit Santôs

Semana passada, voei pela primeira vez na Emirates Airlines, o George V da aviação. A nécessaire de bordo traz amostras da Bulgari. Pode-se usar o iPhone durante o voo. O cockpit-assento-cama tem colchonete para amaciar o sono e a vida, aberto em 180 graus completos. As refeições são servidas em louça. A bebida é liberada. Os comissários adoráveis. O teto é mais alto, e o piloto, exímio. Só não pode fumar. Nunca fui tão bem tratada no ar, quiçá na terra. Foram 14 horas de voo até Dubai; 12 de sono. Eu já vinha pensando em escrever sobre o aviador mineiro, diante da data comemorativa de 106 anos do voo do 14-bis. E as coincidências me levaram à Índia, de Emirates, justo a tempo.

No dia 23 de outubro de 1906, Santos Dumont realizou o primeiro voo público da história em um objeto mais pesado que o ar com propulsão própria. Ou seja, decolou e pousou por meios próprios; não foi um salto de asa-delta/planador, foi realmente uma decolagem. Ele fez isso no Campo de Bagatelle, em Paris. Foi um voo curtinho. Ele percorreu 60m em 7 segundos, a 2 metros de altura do solo, numa geringonça de 290kg com motorzinho de 5 cavalos.  Levou 3 mil francos, na época. Fez história.

Santos Dumont era mineiro. De uma cidade ao lado da minha. Hoje o lugar leva seu nome e a casa onde ele nasceu – e que mais tarde veio a comprar – é o Museu do Cabangu. Nasceu ali, mas cresceu no interior de São Paulo e passou grande parte da vida adulta em Paris. Quando abandonou a aviação, desgostoso, voltou para o Brasil e comprou a propriedade mineira, onde começou a criar gado holandês. E no fim, morreu em Guarujá, três dias após seu aniversário de 59 anos. Não viu a guerra. Nem a luftwaffe, os mísseis, a Endeavor e muito menos a Emirates. Cabeça aberta e curioso quando jovem, apaixonado pelas descobertas, Santos Dumont  com o tempo virou um recluso, amargurou-se. Suspeito que não gostaria do spa aéreo em que se transformou a aviação de luxo. Seu interesse pelas aeronaves talvez acabasse ali com os B-52’s. Vai saber.

Em 2006, colaborei com a pesquisa e redação do livro Santos Dumont: retorno às origens – A vida do pai da aviação em sua terra natal, de Isabel Pequeno e Sergio Bara, grandes amigos e colegas de trabalho. Um apanhado de fotografias, cartas, objetos pessoais e relatos até então inéditos, cujos cuidados estão nas mãos da Fundação Casa de Cabangu, detentora de um rico acervo.

Entregue as últimas páginas do livro e ainda naquele mesmo ano do centenário do infame voo do 14-bis, fui a Paris. Era minha primeira vez. E fui pautada para escrever uma matéria sobre a data do 23 de outubro. Virou um roteiro de viagem à Paris do petit Santôs. Texto e imagens contrapunham a cidade de então com a de hoje, de maneira biográfica. O Campo de Bagatelle; o Musée de l’Air et de l’Espace no Aéroport du Bourget – onde está a réplica do simpático aviãozinho e de outros modelos, como a Demoiselle –; a Villa Santos Dumont; o edifício onde ele viveu no 17ème arrondissement; o hotel atrás da Torre Eiffel, onde caiu com seu dirigível; a Maison Cartier, na Champs-Élysées, onde ainda residem amostras de uma edição limitada do relógio de pulso desenhado sob encomenda pela grife para o aviador. O primeiro relógio de pulso da história. São muitas as histórias.

A matéria saiu, mas Paris ficou. Ainda voltei muitas vezes, até me mudar pra lá. Hoje a cidade é outra no meu imaginário; o carinho é maior. No entanto, fica sempre uma lembrança bonita daquela primeira vez, daquele primeiro amor, da descoberta de suas esquinas enviesadas com a aviação mineira. Atenta às coincidências e ao acaso, foi numa dessas que fui parar na casa de mais um mineiro em Paris, que me acolheu e me fotografou. Sua família era de Santos Dumont. Não pude ignorar. Chamei-o pra pauta e ele aceitou.

Entrou pra matéria e pra minha vida. Porque o sentido das coisas somos nós que atribuímos. Sinais só existem quando percebidos. Para ganharem vida, devem ligar-se às pessoas e a suas histórias. Só assim cabe, numa mesma crônica, a Índia, a Emirates e a Paris de Santos Dumont.

DSC01524

Perdidos em Bois de Boulogne, Paris (2006), by Maria Bitarello